O trabalho de Sísifo e a aceleração do tempo - Blog de Maurício Louzada - Mauricio Louzada

Busca
Palestras Motivacionais
de alto impacto
Ir para o conteúdo

Menu principal:

O trabalho de Sísifo e a aceleração do tempo

Publicado por Maurício Louzada em Para Você · 6/2/2011 08:27:00
Conversando com profissionais de todas as áreas, tenho ouvido a mesma queixa: "esse ano passou rápido demais". Uma reclamação cada vez mais constante no mundo moderno. 

Quem nunca se flagrou olhando para um calendário e pensando: não acredito que só faltam X dias para o Ano Novo, não é verdade?

A maior parte das pessoas relata a sensação da aceleração do tempo à medida em que assume obrigações e responsabilidades. Mas por que isso acontece? E como podemos desacelerar esta percepção e assim viver mais e melhor?

Bem, responder isso não é fácil, mas acho que podemos começar a aprender com o mito de Sísifo: trata-se da história de um homem que durante um dia inteiro encara a dura tarefa de rolar uma pedra montanha acima. A montanha é íngrime, e a pedra é pesada, de tal forma que no final do dia, homem e pedra alcançam o cume.  Imediatamente, a pedra rola montanha abaixo, e então o homem tem que recomeçar seu trabalho novamente. 

Segundo a mitologia grega, Sísifo foi condenado a esta rotina diariamente por toda a eternidade. A cada dia, subir a pedra, tendo a certeza que a mesma rolaria montanha abaixo no fim do dia.

Mas como seria a percepção do tempo para Sísifo? Teria ele a sensação de que o tempo demora a passar, ou compartilharia conosco a percepção de que o tempo está passando rápido demais? Ao repetir a mesma tarefa diversas vezes, provavelmente Sísifo seria nosso companheiro no que diz respeito à percepção do tempo.

Para entender porque isso aconteceria, vamos fazer uma visita à nossa infância. Naquela época esperávamos  muiiito até chegar a sexta-feira, não é mesmo? Quanto tempo se passava até as tão esperadas férias de verão! Como era longa a visita à casa de sua avó!

É que naquela época, seu cérebro estava aprendendo e vivendo novas experiências, e por isso dedicava grande empenho e esforço para compreender as coisas do mundo. O que eram as estrelas? Como o mar não invadia a terra? Por que o céu era azul? Qual a sensação de uma montanha-russa?

No mundo moderno, estamos todos inseridos em rotinas diárias, semanais ou mensais. Fazemos coisas parecidas todos os dias, e mesmo frente a novas situações, agimos com comportamentos rotineiros.

Muitas vezes, temos rotinas até para quebrar rotinas: decidimos viajar, mas viajamos para os mesmos lugares; decidimos jantar fora, mas comemos nos mesmos restaurantes; decidimos passear  e fazemos isso nos mesmos lugares...

Nestas situações o  nosso "eu" não está apredendo nada de novo, não está vivendo novos desafios, novas aventuras e nem descobrindo novos mundos. Como já vivemos tais experiências, simplesmente não registramos esta percepção de "novo", e entramos em um estado de aumomatismo que nos traz a sensação de que o tempo está passando rápido demais. As experIências repetidas não contam para o nosso cérebro, e assim não temos a sensação de "Epa! Eu estou vivo!".

Mas podemos voltar a ter esta sensação na medida em que resolvemos fazer tudo de maneira diferente. Mesmo que seu trabalho seja repetitivo e rotineiro, não permita que isso invada sua vida pessoal. Para ter a sensação de que o tempo voltou a ser mais demorado, proponha coisas diferentes em sua vida: acorde de madrugada para ver as estrelas - sem pressa de voltar à cama, coma comidas que você nunca ousou - com temperos e aromas diferentes, faça uma viagem para um lugar que você nunca pensou, presenteie alguém sem absolutamente nenhum motivo especial, observe como as nuvens se deslocam, pule de pára-quedas, visite uma caverna... Invente...

Afinal, podemos escolher se viveremos a vida de Sísifo, ou nossa própria vida. Neste caso, aproveite o caminho, quebrando a rotina e descobrindo que você é completamente livre para ousar viver uma vida cheia de felicidades.

(Permitida a reprodução, desde que citado o autor: Maurício Louzada)



Sem comentários

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal